22 de mai de 2012

P.O.D. - Entrevista na Indie Vision (PARTE 1)

Recentemente, Sonny concedeu uma entrevista ao site Indie Vision. Nela, ele fala dos projetos anteriores ao Murdered Love, do rompimento com a ex gravadora, da vontade que teve em deixar o P.O.D., da mudança do logotipo, entre diversos outros assuntos. A entrevista é bem extensa,  por isso será divida em 2 partes, para que vocês possam ler com calma e entenderem melhor os assuntos. Segue a primeira parte traduzida logo abaixo, confiram.

Vocês tiveram vários momentos ao longo da última década. Primeiro Marcos sai da banda após o Satellite e vocês recrutam Jason Truby como um substituto. Vocês lançaram álbuns com essa formação e, em seguida, deixaram a Atlantic Records. Dentro de 6 meses Jason sai e é anunciado que Marcos está de volta. Vocês assinaram com a INO, lançaram When Angels and Serpents Dance, e então quase desapareceram novamente. Agora vocês  assinaram com o selo Razor & Tie. Como é que todas essas experiências moldaram vocês como uma banda? Houve algum momento em que vocês consideraram parar completamente?
Certo.  Acho que foi mais da minha parte (risos). Só precisava parar, me sentar, eu estava meio cansado dessa indústria. (risos). Torna-se um negócio e, em seguida, você para de se divertir. Não só isso, mas todas as outras lutas que você tem que lidar e que todo mundo está passando por suas própria razões, às vezes você  tende a não cuidar dessas coisas por causa dessa máquina que está se movendo  show após show. É como você faz o seu dinheiro e você só vai mantendo o mesmo ritmo. Então, é como "Sabe, eu só preciso ir para casa. "Para mim, eu sempre disse que essa banda não me define. Eu sou um pai em primeiro lugar, eu sou um marido, irmão, e eu sou um amigo. Eu só preciso ir para casa e me recompor". Eu estava disposto a deixar o P.O.D.  para fazer isso. Então, ao fazer isso, é que eu acho que reacendeu um amor e uma vontade para fazer as coisas que eu acredito. Acho que nos últimos 20 anos, foi apenas uma viagem. No final do dia, eu apenas sou chamado para tocar com esses caras nesta banda. Você sabe, eles são meus irmãos e eu os amo. Às vezes as coisas é que não fazem sentido, mas tende a fazer sentido naquela hora em que nós começamos a brincar uns com os outros. Agora, eu honestamente acredito que nós somos os mesmos azarões novamente. Nós estivemos no topo da montanha e vice-versa. Verdadeiramente, nós estamos fazendo isso porque amamos fazer isso. Não há dinheiro a ser feito. Não há fama que deve ser aproveitada. É só pra quem aparece, nós tocamos para o púiblico que for.

Já se foram 4 anos desde o lançamento de When Angels and Serpents Dance. Além de trabalhar em um novo material, o que  vocês andaram fazendo durante esse período de tempo?
Alguns dos caras se mantém em alguns projetos paralelos e fazem um monte de coisas com um monte de artistas. Para mim, eu realmente coloco a música completamente de lado. Exceto, que tinha feito um monte de shows beneficentes. Eu estou trabalhando bem de perto com a família de Chi Cheng do Deftones no 'One Love For Chi Foundation'. Nós fizemos um monte de captação de recursos para ele. Fizemos mais um monte de coisas de caridade.  Apenas shows gratuitos que iríamos fazer no nosso próprio tempo e em nossa própria moeda, para o bem dele. Eu estive envolvido com o grupo chamado The Whosoevers. É realmente um grupo de prestação de contas que nos permite fazer um monte de palestras para os jovens e ir em escolas secundárias, rehabs, e as faculdades de jovens. Nós fomos capazes de dar apenas a esses garotos uma esperança e amor nas coisas que nós acreditamos verdadeiramente. Ao fazer isso, eu comecei a perceber a grandiosidade que POD tem. Essa é uma das razões para eu continuar a tocar.

Muitas bandas, que estiveram com gravadoras respeitáveis ​​durante anos, recentemente decidiram seguir de forma independente com novos álbuns neste ano, utilizando serviços de financiamento novos como Kickstarter. Você pensa em alguma vez se tornar independente?
Eu acho que a maneira como as coisas estão rolando agora, é ótimo para bandas novas terem as ferramentas de acesso e poderem gravar um registro em sua casa e mostra-lo. As redes sociais são como uma oportunidade para essas novas bandas para chegar lá. Estamos tentando adaptar-se a tudo isso. Acho que estamos muito velhos, você sabe o que quero dizer? Eles estão arrancando a alma desses artistas, porque não há dinheiro a ser feito nas vendas de discos mais. Então, agora, eles querem publicar e pronto. Portanto, para nós, vamos fazê-lo por conta própria, se for preciso. Todos nós temos acesso ao estúdio e podemos lançar de qualquer modo. Com a Razor & Tie, eu acho que eles são mais que apenas uma gravadora. Eles só querem lançar ótimos discos. Felizmente, eles têm um pouco de dinheiro. Eles nos permitiram ir para o estúdio e fazer o que fazemos. Somos muito gratos.

Como um veterano da indústria, qual é a sua opinião sobre o multi-financiamento de serviços como o Kickstarter?
Eu acho ótimo, acho que seu estilo old school ganha raízes. Muitas dessas bandas são bandas de garagem. Se é verdadeiro e é legítimo, e eu vejo a banda lutando e dando seu sangue, tudo vale a pena. Isso é o que eu sou. A maioria destas crianças não ve isso. Eles não vêem essas bandas que estão agitadas e esforçando-se. Novamente, é o que eu odeio sobre esta indústria. Você tem essas crianças que têm estas ofertas recordes e eles estão tocando no mesmo palco que você. Eles nunca sequer tocaram antes e eles já têm um single lançado. Eles nem sequer pagam as suas contas. Isso faz parte da parte frustrante. Eu acho que é ótimo se realmente existem os verdadeiros fãs que estão apoiando você. Precisamos desses fãs que saem e compram o disco. Se eles não estão comprando mais, os esperamos pelo menos nos nossos shows, aí compram uma camiseta ou outra.  Acho que todo mundo é tão mimado com a música... Ela se transformou em "eu posso baixar essa banda no meu celular em dois minutos. Tornou-se em amá-los esta semana, odeia-los na próxima. Eu sinto que estamos voltando à velha escola.

O que levou vocês a decidirem a assinar com uma grande gravadora novamente e como é que vocês se dão ?
Como afirmei anteriormente, Razor & Tie é mais na distribuição. Eles estão mais preocupados em lançar bons discos. Eles têm a mentalidade, "nós estamos recuperando o nosso dinheiro e depois vamos dividir." Essa é a forma como deve ser. É uma parceria. Para nós, a razão pela qual deixamos a Atlântic, era suposto fazer o nosso quinto disco com eles. De repente, nós tivemos essa, que eu acredito que era um orçamento para gravação em milhões de dólares. Eles tinham arquivado nossos dois últimos registros. Este é o ponto onde as pessoas estão sendo demitidas e ninguém está trabalhando. Eles apenas deixaram de impulsionar seus artistas. Chegamos até aqui com 4 discos de platina. Nós estamos pulando para este disco novo e surpreendente. Temos uma canção número um no TRL e estamos na turnê de mais importancia do verão. Ninguém está trabalhando as nossas custas. Foi o que aconteceu para esse disco dar certo. Na Atlantic, foi o seguinte: Aqui estamos prestes a fazer o nosso quinto disco, com um orçamento de milhões de dólares. Nós literalmente, lhes pedimos: "Podemos simplesmente sair da gravadora?"  Eles não nos deixaram, e praticamente tivemos de ameaçá-los. "Você nos dá o orçamento de milhões de dólares e nós estamos indo fazer um disco de cinco dólares e vocês ficam com o resto do dinheiro." Nós até lhes dissemos, nem sequer nos paguem, apenas nos deixe sair da gravadora Atlantic. Por isso, basicamente, levou um milhão de dólares para sairmos da Atlantic Records. Nós éramos como, "por que vamos nos doar de coração e alma, sendo que vão arquivar como fizeram com nossos dois últimos discos?" Não faz qualquer sentido. Nós estamos no auge de nossas carreiras e vocês arquivaram os nossos dois últimos álbuns. É absolutamente insano. Estávamos fazendo discos com Santana e todas essas pessoas, e nossa gravadora simplesmente não estava fazendo nada. Eu acho que eles não acreditavam que poderíamosvender mais discos. Então, eles fizeram seu dinheiro e eles eram como ''por que empurrar esses caras mais?''. Eu acho que nós meio que sentimos isso. Nós lhes deviamos um Greatest Hits e ainda nos secaram uma última vez. Eles tem um Greatest Hits as nossas custas, forçando-nos. Não devíamos ter mais músicas para fazermos um Greatest Hits? Esse foi outro motivo que nos levou a cair fora dessa gravadora.
Quando fomos com a INO, era mais um seguimento indie, pelo menos. Nós sabíamos que eles tinham um apoio da Columbia Records, mas que não daria em nada. Então, quando nós assinamos com o Razor & Tie, dissemos "vamos apenas fazer o disco que queremos. Deixe o resto lá fora''. Costumávamos fazer isso por conta própria e agora com o Razor & Tie, é como "nós vamos lançar isso e pronto". Se as pessoas gostarem dele, eles respondem a ele.

Vocês assinaram com eles antes de gravar ou depois?
Assim que saímos da INO. Nós já tínhamos músicas em segundo plano. Quando chegamos a ir em frente com a Razor & Tie. Deram-nos um orçamento para ir direto terminar o disco. Assim como temos o orçamento, nós fomos para o estúdio com Howard Benson e aqui estamos de volta na estrada.

Como tem sido a relação com a R & T até agora? Eles têm dado a vocês a liberdade de fazer a suas coisas, e o que vocês fazem de melhor?
Sim cara
. Até agora, tem sido surpreendente. Tão longe, tão bom. Eu acredito nesse CD, eu acredito em tudo o que fizemos nele. Estou animado com isso e ainda é uma relação muito fresca. Aqui estamos na estrada novamente e ainda estamos conhecendo pessoas. Estamos começando a ficar um pouco mais amaveis com as rádios. Todo mundo tem suas peças nos lugares e até agora, tem sido muito bom. Eles confiaram em nós para gravarmos o disco. Então, agora 
estamos confiando neles para venderem os discos.