15 de out de 2007

Sonny - Entrevista - Esclarecimentos sobre as capas dos álbum FEOS e Payable on Death



Sonny entrevistado por Mark Moring do Christianity Today.com

Alguns trechos da entrevista.

Sobre o problema de alguns cristãos com a simbologia da capa do álbum The Fundamental Elements of Southtown (1999) e Payable on Death (2003).

Sonny: É frustrante. Mais uma vez, isso é apenas um mal entendido, porque quando nós concluimos nosso primeiro álbum com a Atlantic, tínhamos destacado que nosso álbum independente tinha vendido bem no mercado cristão e que nós queríamos que continuasse assim. Então a Atlantic fez isso se tornar possível. Quando veio o álbum Southtown, os lojistas cristãos disseram que não podiam coloca-lo nas livrarias por causa da capa. Isso não fazia sentido.

Nós estávamos, tipo "espera um minuto. Nós estamos tentando nos manter com o maior selo, Atlantic Records, e vocês caras (lojistas cristãos) dizem a eles que não podem colocar o álbum nas livrarias?" Isso foi frustrante. E realmente não fazia sentido. O que significava uma capa afinal? A música e o conteúdo permaneciam o mesmo. Se você pensa que a capa é blasfemadora ou se você acha que não é de Deus, então o que a música está se tornando? Mas mesmo assim, nós vendemos bastante com isso. E aconteceu a mesma coisa com o último álbum (Payable on Death).

Mark Moring: Então, a indústria da música cristã quando fizeram a contagem de álbuns vendidos no fim do ano, falaram das vendas do P.O.D. como "nossas vendas"!Sonny: (risos) É claro! Qualquer um ficaria realmente frustrado se pensasse nisso por muito tempo. Mas no fim, minha esperança é que nós pudemos mostrar músicas que vão tocar alguem e afetar a vida de alguem. Nós realmente não perdemos no lado financeiro das coisas porque não havia nada com que se preocupar. Nós somos apenas uma banda que faz música. Então, qualquer um quer mostrar isso, hey, se você consegue chegar nas mãos da garotada... é o que nós queremos.

Mark: Este (o rock) é o único gênero que é definido pela mensagem ao invés da música. O que você fala sobre isso? Você tem que escolher um lado ou o outro – cristão ou secular? Ou você pode mesclar ambos, com o pé nos dois mundos?

Sandoval: Eu acredito que nós fazemos e acredito que nós somos. Quando o P.O.D. apareceu foi um tipo de quebra no modelo se / ou. Quando nós gravamos com a Atlantic, nós tínhamos um álbum que foi um sucesso (Southtown), então a indústria secular estava dizendo "Hey, olhe o P.O.D." Para eles, nós somos "aquela banda cristã. Mas olhe as vendas e as reações que eles estão carregando".Então, eles olharam na industria cristã e viram todo dinheiro que estava sendo feito, e tudo foi repentino – porque é um grande negócio –, eles começaram a ver as bandas cristãs cantarem. Em todo lugar que nós olhamos agora, as bandas cristãs que nós colocávamos para abrir os nossos shows em um dia, estão todas cantando com os maiores selos. Não importa se é uma P.O.D. ou uma Switchfoot. Não importa se as bandas estão dizendo, "Eu faço minha música para encorajar as pessoas" ou "Eu quero glorificar a Deus através da minha música". Os empresarios de marcas musicais não precisam saber disso. Eles só querem música. Para eles só importa o quanto você venda ou não.

Mark Moring: Falando em secular, vocês caras se dispõem a tocar em quase todo lugar. Você e eu temos alguns amigos em comum que descrevem você como um Daniel dos dias modernos. Você fez turnê com Korn e Staind e TapRoot. Você não apenas tem sido uma porta de salvação do stuff secular – Leno e Letterman. Você pisa em lugares realmente obscuros – como Daniel na cova dos leões. Como você se prepara, e você alguma vez teve medo em ir a esses lugares?Sonny: (risos) Eu não tenho medo de nada. Esses lugares são mais familiares para mim do que a maioria dos lugares cristãos, porque eu não estava sendo levantado na igreja. Se tem algo... eu realmente tenho mais medo de mim mesmo. Quando nós vamos para esses lugares, como P.O.D., nós queremos fazer nossas coisas, representar as coisas que nós acreditamos. Nós estamos tentando fazer nossa própria caminhada e não nos atualizando na falta de senso, porque vamos deixar isso claro: é um mundo diferente. Nós chegamos em lugares (de fama e celebridade) onde todo mundo quer alguma coisa de você, ou eles querem tomar conta da sua vida, ou eles querem te beijar. E isso é como... cara, não é o pior sentimento do mundo. Você sabe o que eu quero dizer? (risos)Então, você vai aprender a voltar disso. Você vai nesses lugares e apenas tem que saber manter suas raízes, então você pode permanecer firme. Nós sempre vamos a esses lugares com um certo receio, um certo tipo de receio. Nós temos conseguido nos manter precavidos da falta de limites. E então quando nós estamos nessas situações e eles estão um pouco agressivos, nós temos pessoas na estrada conosco – nossas esposas, nossa família, pastores que nós confiamos. Nós estamos do lado um do outro e nós estamos sempre em oração e encorajamos as pessoas a fazerem o mesmo por nós.Moring: Eu lembro quando Howard Stern entrevistou vocês, caras, ele não podia acreditar que você não estava fazendo sexo grupal ou geral, agindo como rock star hedonistas. Ele estava atônito de que vocês ainda se mantinham fiéis as suas esposas.

Sonny: Sim

Moring: É claro que vocês sofrem as mesmas tentações que qualquer rock star. Como você resiste?
Sonny: Para mim, é apenas o medo, mas o bom medo. Eu sei que Deus está me vendo, e Ele está dizendo "Ok, filho, vigie seus passos agora. Você pode estar nesses lugares, mas seja cuidadoso. Se mantenha precavido". Mas, é claro, tendo família e amigos e pastores conosco sempre ajuda. Saber que muitas pessoas tem se mantido conosco e nos dado apoio é algo maravilhoso, porque faz muito bem em comparação às pessoas de fora que só querem te ver cair. Você precisa de pessoas dizendo, "Hey cara, eu estou com você todo o tempo".

Moring: E sobre fora da música, quando você está em casa? O que significa pra você? Levar sua filha para a escola, fazer coisas cotidianas?

Sonny: Sim. Ir para a escola. E agora nós temos muito mais tempo com o mais novo (1 ano de idade). Estamos descansando mais. Eu saio com minha esposa. Nós vamos almoçar juntos. Ou fazemos um churrasco; Eu amo cozinhar. Eu tenho boa parte da família em San Diego; Eu saio com eles. Vou visitar minha avó e todo mundo. Eu tento me infiltrar tanto quanto é possível. Eu gosto de colocar tudo em dia com família e amigos.Depois, nós ficamos ocupados com as Crônicas de Narnia do C.S. Lewis e eu estou ficando ansioso pelo filme. Nós estamos agindo como crianças pequenas, eu estou ansioso por isso.

Moring: Então, você é um admirador de Lewis. Eu ouvi você dizer que também é fã de Billy Graham.

Sonny: Sim. Alguns anos atrás, nós fomos convidados a fazer uma apresentação na Cruzada em San Diego. E isso foi como, cara, nós amamos e respeitamos o cara, mas que realmente não faz sentido: "P.O.D. toca com Billy Graham". Estava previsto ter umas 50 mil pessoas lá, com P.O.D. tocando ou não.Então, nós encontramos todo o pessoal dele e nós tinhamos a chance de encontrar o Sr. Graham. Nós estávamos, tipo: "Hey, nós queremos estar lá, sair e encontrar pessoas e servir. Nós não queremos ir pra lá, ficar no palco. Esta não é uma plataforma para o P.O.D. Nós não queremos usar sua plataforma para promover nossa banda".É assim que nós fazemos. Eu não quero usar a plataforma de ninguém. Eu acho que Deus os tem em seu lugar. E eu acho que Deus nos tem em nosso lugar.
Para ver mais notícias sobre o P.O.D.. Para saber quando uma novidade sobre ele for publicada no Clube 144, cadastre-se gratuitamente.

Fonte: Christianity Today
Pedido por Maxuel Pereira e Augusto Bruno de Andrad

postado por Romilton

por: newromy21
fonte: http://www.webletras.com.br/artigos/artista/2687/artigos-de/pod.htm

0 comentários:

0 comentários: